imagem

A cidade design: Copenhague



Amigo mala,

já sabemos que você adora um roteirinho pronto, mastigado e responsivo, certo? Por isso, a partir deste post começaremos a dessecar nossa viagem à Escandinávia e Finlândia (que tecnicamente não faz parte da Escandinávia).  Vamos na nossa mala?

Começamos a nossa viagem por Copenhague, uma bela cidade cujo ponto alto é o design, que está por todos os lados! Uma bela mescla entre o clássico e o moderno, em uma sintonia de fazer inveja a qualquer maestro.

Arte por todos os lados

.

Chegamos à noite e por isso fomos direto ao AC HOTEL BELLA SKY. Utilizamos um táxi, em razão do adiantar da hora, e por estarmos acompanhados de 04 amigos. Claro, se estamos em grupo, precisamos calcular se vale a pena utilizarmos transportes coletivos, pois muitas vezes o táxi é mais econômico.

AC HOTEL BELLA SKY – Nosso hotel era enorme, oferecia um bom custo-benefício, mas não era bem localizado. Porém, ficava a 150 metros de uma estação de metrô. Valeu a pena! Quarto moderno e confortável, café da manhã farto! Ah, ele é da rede Marriot!

.

Parte da fachada do nosso hotel

 

Nosso quarto

 

Mas vamos logo ao que interessa, nosso roteiro, dia a dia….

.

DIA 01

Saímos do nosso hotel com destino ao Amalienborg Palace (Amalienborg Christian VIII’s Palace 1257), residência de inverno da Família Real. Compramos o ingresso no local por 95DKK, ou seja, cerca de €13. Não havia fila. A área de visitação do palácio é pequena. Ele foi construído pelo Rei Frederik V, em meados do século XVIII, para comemorar o tricentenário da subida da dinastia de Oldenburg ao trono. O complexo de Amalienborg é formado por quatro palácios iguais, dispostos simetricamente ao redor da estátua equestre de Frederik V, em uma praça octogonal. Na saída, caminhamos um pouquinho na praça enquanto aguardávamos a troca da guarda, que ocorreu pontualmente às 12h. Para sermos sinceros, achamos simplesinha, básica mesmo! Confira o horário de funcionamento pois varia segundo dia e mês.
.
A Praça octagonal
 .
A biblioteca do palácio
.
Alguns passos mais e chegamos à Igreja de Mármore (Frederiks Kirke – Frederiksgade 4, 1265 København K.), localizada  na mesma praça,  e que recebe visitantes das 10h às 17h da tarde (salvo sextas e domingos que abre apenas das 12h às 17h). Essa igreja levou dois séculos para ser construída, em razão de tumultuadas questões políticas.  Entrada grátis. De 15 de junho a 31 de agosto a cúpula abre ao público todos os dias às 13h. No restante do ano, somente aos sábados e domingos, também às 13h. Para visitar a cúpula, é necessário adquirir um ingresso que custa o equivalente a 5.
.
.
Lindo interior
Depois dessa visita, seguimos pela Langelinie (cerca de 20 minutos de caminhada) para o Kastellet (Defence Command Denmark Danneskiold-Samsoes Allé 1 DK 14334 – Gl. Hovedvagt, Kastellet 1, 2100 ), que é uma cidadela aportada em um lindo parque, que fica aberto até às 22h.   No caminho, encontramos um dos chafarizes mais antigos da cidade, Gefion Fountain, com estátuas em homenagem ao deus nórdico Gefjun. À direita pudemos admirar a Ópera, A Biblioteca Diamante Negro e a Torre da Igreja nosso Salvador.
.
O chafariz e a Ópera no pano de fundo
 .
Kastellet – É uma cidadela com uma fortaleza muito bem conservada, construída em 1664, em forma de estrela, e onde se encontram a Igreja de Saint Albans (do fim do século XIX) e o Museu da Libertação (retrata a ocupação militar nazista na 2a guerra mundial). Em 1892 a área foi transformada em um parque, mas até hoje o quartel que fica bem no centro do forte continua ativo e algumas vezes é até fechado para treinamento dos soldados dinamarqueses. É um local simpático, com um moinho antigo e prédios baixos pintados em tons de laranja, cor típica da cidade.
.
O charmoso moinho de Kasselet

.

A Igreja de Kasselet – Saint Albans
Para encerrarmos as atrações programadas para nosso primeiro dia, passamos para clicar a Pequena Sereia, Den Lille Havfrue. É  o  monumento mais famoso de Copenhague (não entendemos o motivo), construído em 1913 por um cervejeiro que se baseou no conto de Hans Christian Andersen. Ela é bem sem graça, mas tínhamos que conhecer!!
.

 

Retornamos pelo parque e almoçamos no Restaurante Esplanaden 48, onde comemos deliciosos smørrebrød (espécie de sanduíche aberto), comida típica dinamarquesa. Adoramos!

.

 

Tim-Tim! turma show!

.

.

Resolvemos continuar nosso passeio, andando até o cartão-postal da cidade – Nyhavn –  o porto e os seus prédios coloridos. Parecia que tínhamos sido abduzidos por um tela de pintura a óleo. Aquele colorido emoldurando o rio e acolhendo as pessoas que flanavam, como nós, por ali. Relaxamos na região até às 19h30, quando pegamos um táxi para degustarmos algumas delícias do renomado restaurante Amass.

.

Quase um quadro! Filtro para que?

.

Amass – É um lindo restaurante que oferece ao cliente um ambiente clean, moderno e aconchegante, além  de uma comida saborosa e surpreendente. Relativamente caro, e destinado a pessoas com um paladar arrojado. O prato mais apreciado foi a sobremesa: sorvete de beterraba com açúcar explosivo. Deu para entender que ele é realmente surpreendente?

.

.

A surpreendente sobremesa!

.

DIA 02

Iniciamos nosso dia pelo imponente  Rosenborg Slot (Øster Voldgade 4A 1350 Copenhagen K) e seus belíssimos jardins Kongens Have (O Jardim do Rei).  O Ticket custa 110 DKK, ou seja, cerca de €15. Passamos bem mais tempo que o programado. Então, reserve pelo menos duas horas para conhecer o palácio. O ideal são três horas para que você possa curtir com tranquilidade o palácio e seus jardins..
 Rosenborg – um Castelo da época do Renascimento, construído em 1606, que  foi utilizado como residência real até 1710, tendo sido transformado em museu no ano de  1838. Ele  possui uma rica coleção de objetos reais dos séculos 16 a 19, incluindo obras de arte, jóias, mobílias e armas.  A sala do trono, Long Hall, construída em 1624, fica no último andar e é adornada por lindas tapeçarias. As joias, no subsolo, também impressionam, principalmente as coroas. A guarda sai do castelo às 11h30 com destino ao palácio de Amalienborg, onde acontece a troca da guarda às 12h.
 .
.
Joias da Coroa
.
Saindo do Rosenborg  seguimos (11 minutos de caminhada) em direção à Rundetaarn (Købmagergade 52A, 1150 ). O ingresso Ticket custa 15DKK (€2).  
Rundetarn: construída no século XVII, trata-se de torre circular de 36m de altura que era utilizada por astrônomos. Ela está localizada em uma das ruas de pedestres do centro e oferece uma bela vista da cidade e das famosas torres de Copenhague. Há uma rampa circular que nos levou até o topo, as escadas ficam para o momento final. Se você não tiver bom preparo físico ou estiver com dificuldade de locomoção, pule esta atração.
.
.
Saímos para Kongens Nyrtorv  (Praça do Rei), conhecida  a mais exclusiva e chique da cidade devido aos belos prédios: Thott Palace (atual embaixada francesa);  Palácio de Charlottenborg que hoje abriga a Academia Real de Artes (escola de pintura e escultura); pelo Teatro Real; pelo tradicional Hotel D’Angleterre; pelo maravilhoso restaurante Kong Hans;  e, pela loja de departamentos “Magasin“. Ficamos frustrados porque a praça estava em obras!!!
Mudamos a programação e fomos até o Nyhavn, isso mesmo voltamos aquele porto maravilhoso! Almoçamos no Restaurante Skipperkroen, que oferece comida honesta, mas nada demais, além da deliciosa vista!
.
Adoramos esse visual!
.
Após o almoço, para darmos aquela relaxada e descansarmos as pernas, fizemos o passeio de barco com duração de 1 hora. Compramos os tickets lá mesmo, próximo ao restaurante onde almoçamos. É um programa agradável. O barco passa pela Ópera, Biblioteca, Pequena Sereia, Bolsa de Valores e muito mais.
Encerrado o passeio, fomos até o  Papiroen, que é o mercado local (street food), onde beliscamos mais umas coisinhas!! A turma do vainamala comete o pecado da gula! Pronto, falamos. Há comida local, mas também de vários outros países, inclusive Brasil. Atenção, confira se está aberto antes de sua viagem, pois ele fecha durante o inverno.
.
A maioria opta por comer ao ar livre tomando sol!!!
 .
A parte interna do mercado
 .
 Saindo de lá, andando por cerca de  minutos, chegamos à Christiania ( conhecida como a favelinha de Copenhagen – Endereço: Bådsmandsstræde 43, 1407 København.):  cidade livre fundada pelos hippies nos anos 70 que é tolerada pelo governo dinamarquês. Trata-se de atração turística famosa que ninguém sabe quanto tempo ainda vai durar, pois há anos persiste resistência do governo local.  Em 1971, um grupo de hippies ocupou um quartel abandonado e declarou a área como “cidade livre”. Depois disso, centenas de jovens se juntaram ao grupo e, então, a Administração Pública reconheceu Christiania como uma “experiência social”. No parque , várias drogas são consumidas no local em plena luz do dia. Não achamos o ambiente pesado, entendemos como válida a visita. Porém, os demais amigos viajantes não gostaram e ficaram de certa forma incomodados. Segundo o “código” dos frequentadores, não se pode tirar fotografias, para não expor os usuários. Contudo, ainda conseguimos tirar uma, mas claro SEM FOTOGRAFAR AS PESSOAS, em respeito à privacidade delas.
.

.

.

Depois de uma longa caminhada de cerca de 40 minutos, chegamos ao Tivoli Garden  (Tivoli A/SVesterbrogade 31630 København). Na Praça do parque já vimos  o prédio da prefeitura Radhus e a Torre do Relógio. O ingresso custa cerca de € 15, mas não dá direito às atrações. Nós chegamos muito próximo do horário de encerramento do parque e, por isso, não tivemos como explora-lo. apenas circulamos por toda sua extensão para conhecermos as atrações.

.

.

.

Tivoli Gardens  – trata-se do segundo parque de diversões mais antigo do mundo (1843), e seus jardins são lindíssimos. Além das atrações vintage que funcionam até hoje, o parque tem ainda restaurantes diversos, lojas (inclusive uma pequena loja da  Illums Bolighus), programação de shows e um espetáculo de luzes e música noturno com os chafarizes do lago. Reza a lenda dinamarquesa, que  foi depois de visitar o Tivoli e se encantar com o clima de “reino mágico” do conceito do parque,  que Walt Disney se inspirou e criou! O melhor restaurante do parque é o “The Paul” que tem uma estrela Michelin para abrilhantá-lo! Seguindo os conceitos dos parques de diversões modernos, o Tivoli também é dividido em “temas”: área Asiática, Indiana, e até uma “Náutica”…
DIA 3 

Hora de partir para Helsinki, mas antes de pegarmos o táxi para o aeroporto, deixamos as malas na recepção, e  ainda demos uma esticadinha até à Carlsberg Visit Center (Gamle Carlsberg Vej 11, 1799 Valby, ), que ficava a 15 minutos de táxi do nosso hotel. O preço do ingresso é  equivalente a €13,42.

.

.

.

 .
Carlsberg – A fábrica foi fundada em 1847 por J. C. Jacobsen. A alta qualidade dos produtos construiu sua ilibada reputação e com isso a empresa se estendeu por toda a Europa. Desde 2005 o local é aberto a visitação e vale muito a pena, pois você entenderá a evolução do processo de fabricação da cerveja, além da própria história da fábrica. O ingresso dá direito a duas canecas de cerveja, ou seja, provamos quatro. Ah, o restante do grupo não nos acompanhou.
Não tivemos tempo, casa você ainda tenha um espacinho na sua estada em Copenhague  (tudo bem passou das 60 horas!!!), visite ainda: região de Strøget (passamos rapidamente durante nossas caminhadas),  a Igreja do Nosso Salvador ( Von Frelsers Kirke – Sankt Annæ Gade 29, 1416  ) e Christiansborg  (jørgens Gård 1468 København K).
Strøget: a região de destres mais importante da cidade é também uma das mais longas e antigas ruas de pedestres da Europa. Há desde lojas de souvenirs baratos a ótimas lojas de design dinamarquês para casa (como a Illums Bolighus), porcelanas finas (Royal Copenhagen), roupas de marcas conhecidas (como Zara, H&M, etc), loja da Disney, da Lego (que é dinamarquesa) e está sempre cheia de gente, como não poderia deixar de ser. É na rua Amagertorv, em frente à Fonte das Cegonhas, que ficam as imperdíveis lojas: Illums Bolighus (n. 10), Royal Copenhagen (N.6) e Georg Jensen.
Vor Frelsers Kirke: essa igreja de 1680 tem uma das torres mais bonitas de Copenhague. A escadaria em espiral que vai até o alto tem 400 degraus, sendo 150 deles externos. São 90m de altura.  A entrada na igreja é free, mas para subir na torre paga-se € 6.
Christiansborg: é a sede do Parlamento dinamarquês, gabinete do Primeiro-Ministro e da Suprema Corte. Os Royal Reception Rooms, que são usados para visitas de estado, os estábulos reais, as ruínas, o museu do Teatro e a capela do palácio são abertos a visitação.
E aí, vainamala para Copenhague?
Reserve seu hotel pelo Booking, já temos o link! Você não paga nada a mais por isso!!!

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Resolva esse captcha para continuar. *