Amigo “mala” viajante, será que realmente comprar moeda em espécie é a melhor alternativa?

Sempre me faço essa pergunta!

Então, inicio os “cálculos matemáticos” para ao final tomar a decisão.

A conta pode parecer simples, mas não é.

Câmbio, IOF e taxas! Bancos e casas de câmbio! Pense no trabalho!

Comece os cálculos pesquisando a taxa de câmbio, pois instituições financeiras e casas de câmbio praticam valores bem diferentes. Além disso, há variações quanto às taxas adicionais cobradas! O  IOF é sempre fixo, sendo  para compras no cartão de crédito e cartão pré-pago de 6,38%, e para compra da moeda de 1,10%.

Importante destacar que, em períodos de grande instabilidade cambial, para não  “sofrer” com as acentuadas variações, uma boa opção é ir comprando moeda aos poucos, seja em espécie ou no cartão pré-pago, pois  lhe garantirá uma “cotação média”, geralmente sem sustos.

Outro ponto a ser ponderado, é a segurança do uso do cartão de crédito ou pré-pago em detrimento à moeda em espécie. Conheço um  casal que foi vítima de roubo em Paris e perdeu todo o dinheiro da viagem.

Há ainda um fator muito importante que  são os planos de bonificação e pontuação dos cartões de crédito, onde o cálculo é feito de acordo com o seu gasto. Muitos viajam apenas com bilhetes emitidos através de programas de fidelização das companhias aéreas. Tais bonificações também têm grande variação de acordo com a instituição financeira, tipo de conta e bandeira. Frenquentemente, algumas instituições fazem “promoções”, oferecendo  maior pontuação por determinado período. Se você, assim como eu, é um “mala” acumulador de pontos para resgatar por passagens aéreas, sugiro que também “coloque” em sua calculadora esse fator.

No meu caso, sempre levo algum dinheiro em espécie e utilizo o cartão de crédito, pelo menos por enquanto, já que o banco que utilizo  sempre realiza ditas promoções. Na última viagem, realizada em dezembro de 2016, por exemplo, recebi 6 (seis) pontos por cada dólar gasto.

Advirto que, independente da sua escolha, é sempre bom ter algum valor em espécie para pagar pequenas despesas, dar gorjetas  e até para cobrir possíveis falhas temporárias de comunicação da sua instituição financeira com o estabelecimento comercial (isso já aconteceu comigo e com companheiros de viagem).

E aí, vai na mala com cartão ou dinheiro?